quinta-feira, 7 de junho de 2007

Censura na Assembleia Municipal


Falar muitas vezes de democracia, de liberdade, de ética não custa nada, são palavras!

O que não se entende é como é possivel a mesma pessoa que passa a vida a falar em liberdade, censure depois ao não permitir que um Vereador da oposição use da palavra.

Mesmo conhecendo a insegurança do Senhor Presidente da Câmara porque está mais que provado que está a prazo, não tem desculpa.

Os Deputados Municipais do Partido Socialista tiveram a mesma atitude votando contra a possibilidade do Vereador se poder exprimir sobre uma questão importante que estava a ser discutida, demonstrando também o "carneirismo político" que têm para com o Senhor Presidente da Câmara.

Justiça seja feita ao Presidente da Assembleia Municipal, Rui Marqueiro, o unico socialista que defendeu o uso da palavra por parte dos Vereadores da oposição.

Que mal poderia vir ao mundo o Vereador falar?

Que medo têm estes senhores para quererem calar um Vereador?

Que democracia é esta, onde se faz uso da maioria para calar alguém?




34 comentários:

Anónimo disse...

Voltámos ao tempo da censura.
Quem não tem cão caça com gato.

manuel bento disse...

Lamentável não dar oportunidade aos vereadores.
O SR. Carlos Cabral está inseguro.
A auditoria arrasou a sua gestão.

Anónimo disse...

Marqueiro teve bem.
Quem não deve não teme.

Anónimo disse...

O Vereador tem que perceber quem é que manda!

Jerico & Albardas, Lda. disse...

Não conheço o assunto em profundidade, mas estou ansioso que essa notícia surja nos meios de comunicação e divulgação habituais.

Anónimo disse...

O Uso da maioria pode ser utilizado, não parece é que este seja um caso onde os Vereadores do PSD não possam usar da palavra.
Cabral esteve mal só demonstra medo e inseguramça.

Anónimo disse...

O Cabral está muito bem arranjadinho.
Notam-se de facto algumas semelhanças.

Anónimo disse...

O Breda Marques não percebe que a malta quer é ganhar a senha de presença e ir a correr para as tasquinhas?
Não perca tempo.

Gaius Germanicus disse...

Caro Tribuno,
Não tive o prazer de assistir a essa "pérola" do exercício da democracia a que Carlos Cabral nos vem habituando. No entanto, tal actuação não seria de estranhar. Nota-se nas suas intervenções públicas que a sensatez cada vez menos faz parte da sua actuação. Para este comportamento errante só teço um diagnóstico: o homem anda acossado com o que os seus "compagnons de route" lhe andam a fazer. E se contra eles não pode reagir - não esqueçam que a sua origem política é um Partido onde as obediências ao líder são cegas- quem acaba por levar com a "tarte na cara" é a Oposição, ou o elo mais fraco da oposição.
A propósito, é verdade que ao outro Vereador da oposição foi permitido falar??
Ave Caesar

Conta-Corrente disse...

Caro Gaius
Houve de facto um Vereador da oposição que falou mas em defesa da honra.
Não como participante da discussão.

Anónimo disse...

O Cabral gosta mais do Carlinhos que do Gonçalinho.
Na Na Na Na Na Na!

Trinitá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Houve censura com Salazar e a ser verdade que o Vereador pediu para falar e não o deixaram houve censura com Cabral.
Factos não se desmentem!

Anónimo disse...

Eu sou da opinião que o breda marques não devia comparar o cabral com o salazar.
É muito forte.
Polémico, sem duvida.
Pode considerar e bem que foi censurado e que no tempo de Salazar a censura também existiu.
Se for por esse motivo e só assim o interpreto ainda o compreendo.
Cabral e os seus camaradas não tinham necessidade nenhuma disto.

Anónimo disse...

Qual quê? O nosso país precisava era de um Salazar em cada Câmara.

Anónimo disse...

O Cabral foi eleito para mandar por isso tem mesmo é que mandar.
A oposição se fosse boa tinha tido mais votos.

vasconcelos lebre disse...

O Cabral é o Presidente por isso ele é que fala.
Mais nada.
Breda Marques se não se sente bem deixe a política ou mude de concelho.

Anónimo disse...

O Salazar foi um senhor. Não devia estar ao lado de um qualquer presidente de câmara.

Anónimo disse...

Ouvi dizer que o jorge carvalho também foi censurado?

Gaius Germanicus disse...

"Ter um espírito aberto não é tê-lo escancarado a todas as tolices", dizia o francês Jean Rostand com imensa sabedoria.
Reconheçamos que Carlos Cabral esteve mal, reconheçamos também que a Assembleia Municipal é um espaço onde a liberdade de expressão deve ser preservada. Mas, proteja-se aquele orgão das questiúnculas políticas que em nada servem para o enriquecimento do debate.
Se Breda Marques se sentiu menorizado por não lhe ser permitido expressar-se, terá o seu direito à indignação. Critiquem com eloquência o dislate do Presidente, mas não o apelidem, ainda com subtileza propagandistica, de "fascista censurador", porque aí ferem as mais fortes convicções dum homem com um passado cristalino de Oposição ao Antigo Regime.
Ave Caesar

Anónimo disse...

Gaius aqui na minha terra ninguém conhece esse passado cristalino, será que foste o unico que o conheceu?
E olha que deves ter esses olhos bem abertos.
Deve ser tão cristalino como se apelidar de professor com o 12ºano.

Anónimo disse...

Gaius não ouviste o Cabral a chamar ridiculo ao Vereador em publico?
Porque motivo não o vieste criticar e defender as convicções cristalinas de breda marques que podem ter ficado feridas?
Coerência faz mais falta do que andar a citar pensadores.

Anónimo disse...

Gaius gosto do que escreves apesar da tendência disfarçada para a esquerda.
A minha é para o Leste.
O Cabral, foi independente, foi comunista e agora é socialista.
Pode sempre dizer-se que é uma pessoa que se dá bem em qualquer regime.
É um tipo porreiro.

solitario disse...

O Breda Marques foi censurado na Assembleia e agora é censurado por dizer aquilo que pensa.
Dois em um!!

Gaius Germanicus disse...

Meus Caros Tribunos,
Não sou o paladino de defesa de Cabral, não partilho as suas ideologias, nem por ele nutro especiais simpatias políticas. Tentando não citar grandes pensadores, citaria o ex-Presidente da República Mário Soares, democrata insuspeito que questionado sobre algumas mudanças de opinião ao longo do seu longo percurso político, afirmou com a sua habitual frontalidade: "só quem é burro não muda ao longo da vida".
Não confundo coerência com imutabilidade ideológica. Não admiro Álvaro Cunhal por ter falecido com as mesmas convicções que possuia nos anos 50. Não pretendo com a expressão da minha opinião branquear a atitude de Carlos Cabral, mas convenhamos, ninguém acha estranho que ele tantas vezes menorize a acção política de Breda Marques e perante os membros da Assembleia Municipal do PSD tenha uma atitude de maior respeito intelectual?
Ave Caesar

Anónimo disse...

Ele gosta muito é do Gaius Ferreirus, solidariedade ferroviária...

Polis disse...

Retórica política e partidária é alegar que BM insinuou que Cabral é um Oliveira Salazar. O que objectivamente se passou na Assembleia Municipal foi o seguinte: a maioria não permitiu que um Vereador usasse da palavra para dar o seu contributo para a clarificação do assunto que estava a ser abordado, alegando que lhe parecia que os factos em discussão(sendo ele um dos protagonistas desses factos) não correspondiam integralmente ao que estava a ser dito na Assembleia, ou á forma como esses factos estavam a ser referidos.
Que mal poderia vir ao mundo ou mesmo ao concelho se o Vereador falasse? (Quando a verdade é que por questões bem menores já têm usado da palavra, na Assembleia, Vereadores do PS). Mas não deixaram que este falasse. Que nome tem isto? Não tem outro, que não CENSURA. Salazar também fazia censura. Não é BM quem compara Cabral a Salazar.
As conclusões são da responsabilidade de quem as tira.
Tudo o resto são floreados escusados e uma vã tentativa de branqueamento de um acto que é SEMPRE execrável - a censura. Para quê evocar o antifascismo, a luta contra o antigo regime... Já lá vão mais de 33 anos, senhores. O que interessa é o que se passa hoje, não o que acontecia naquele tempo! E o que HOJE se faz, ainda, (mesmo tendo sido antifascista e tendo lutado contra o antigo regime) é CENSURA!!!

Anónimo disse...

Sou Social democrata e tenho que dar razão, infelizmente, ao que escreveu.
Este senhor vai,demasiadas vezes, longe demais.
Talvez por isso o PSD não tenho sido feliz nas duas últimas eleições autárquicas.
Espero que tal venha a suceder brevemente.
A ele um conselho: não acuse de censura os outros quando é você o que mais censura no seu blog; ali só comentários abonatórios para si, escolhidos de uma amálgama de outros que dizem verdades que lhe doem.
Outros deve ser o senhor que os escreve para si mesmo.
É simples !
Tenha vergonha na cara.
Nota: era para escrever isto no blog do breda marques, mas como sabia que não era publicado...decidi faze-lo aqui.

Bela conversa disse...

A mim, a tampa salta sempre que vejo diabretes a fazerem-se de puras criaturas angélicas!

9 de Junho de 2007 00:40


Gaius Germanicus said...
"Ter um espírito aberto não é tê-lo escancarado a todas as tolices", dizia o francês Jean Rostand com imensa sabedoria.
Reconheçamos que Carlos Cabral esteve mal, reconheçamos também que a Assembleia Municipal é um espaço onde a liberdade de expressão deve ser preservada. Mas, proteja-se aquele orgão das questiúnculas políticas que em nada servem para o enriquecimento do debate.
Se Breda Marques se sentiu menorizado por não lhe ser permitido expressar-se, terá o seu direito à indignação. Critiquem com eloquência o dislate do Presidente, mas não o apelidem, ainda com subtileza propagandistica, de "fascista censurador", porque aí ferem as mais fortes convicções dum homem com um passado cristalino de Oposição ao Antigo Regime.
Ave Caesar

9 de Junho de 2007 00:57


Polis said...
Mais uma tentativa de branqueamento:
"...porque aí aí ferem as mais fortes convicções dum homem com um passado cristalino de Oposição ao Antigo Regime."
Um bicho é um bicho. E um homem é um homem. Seja no antigo, seja no actual regime.

9 de Junho de 2007 01:05


Gaius Germanicus said...
Meu caro Polis,
Por racionalidade não comparo Hitler a Churchill, não comparo Estaline a Roosevelt, não comparo Pétain a De Gaulle.
Conscientemente pode comparar Cabral a Salazar? Sejamos justos, condenemos a atitude não lhe condenemos o passado.
Ave Caesar

9 de Junho de 2007 01:11


Polis said...
É precisamente aí que está o cerne da questão: não estamos a discutir o passado. Estamos, sim, a falar do presente.
Se, por absurdo, Churchill também tivesse tentado exterminar os judeus...(o que óbviamente não foi o caso)...que autoridade teria para se opôr a Hitler?

9 de Junho de 2007 01:31


Gaius Germanicus said...
"Quem não recorda o passado está condenado a repeti-lo" - Jorge Santayana.
Nunca avaliemos o presente sem ter em conta o passado. Por não esquecer o passado, não ousarei repeti-lo.
Ave Caesar

9 de Junho de 2007 01:39


Polis said...
...É claro que não comparo C. a S.
Mas a verdade é que, em relação aos exemplos que deu, nem Roosevelt, nem Churchil nem De Gaulle, nenhum deles (esses sim, homens com H grande) cometeu os mesmos erros que criticavam nos opositores que citou.

9 de Junho de 2007 01:42


Polis said...
...Não podemos evocar um passado glorioso e fazer, no presente, precisamente aquilo que tanto condenavamos nesse passado.

9 de Junho de 2007 01:48


Polis said...
Desculpe, mas, a meu ver, não há desculpas para um tal comportamento.

9 de Junho de 2007 01:50


Gaius Germanicus said...
Mesmo o melhor dos homens acaba por errar.
De Gaulle foi a face negra do Maio de 1968, ordenando a repressão estudantil. Foi durante a Presidência de Roosevelt que os americanos criaram a bomba atómica, que o Presidente Truman acabou por despejar sobre os civis de Hiroxima e Nagasaky.
Ninguém está isentos de erros.
"Se os grandes homens nunca tivessem cometido erros, não sabíamos que eles haviam existido" Ave Caesar

9 de Junho de 2007 01:58

Já agora... disse...

Polis said...
Errare humanum est.
O que é condenável é não reconhecer os erros e agir como se fosse o único detentor da verdade.

Camila disse...

Realmente um belo diálogo!
Felicito Breda Marques pela iniciativa do Blog, mas apenas por isso.
Bastante interessantes alguns dos temas.
Pelo menos podemos conhecer um lado das coisas.
Oxalá outros sigam o mesmo caminho.

Anónimo disse...

Camila...
E o teu caminho, qual será?
Estou a ferver, para ver.
Esquerdoide, talvez, nâ?

Anónimo disse...

Um diálogo interessante mas só de teorias. Tal só se compreende por não conhecerem bem o dito cujo.
Vejam só, p.e., como com tanta (falsa)moral que apregoa ele é um dos especuladores imobiliários da nossa praça. A casa dos pais, uma vivenda com boas condições, está deshabitada há cerca de 10 anos, desde antes da morte do pai que acabou num lar,e a usufruir de todas as infraestruturas públicas. Naturalmente à espera de um negócio rentável com empreiteiro de propriedade horizontal que já lá está mesmo ao lado.
E, a moral é tanta!? que paga a mesma taxa de IMI que os vizinhos que têm os seus prédios ocupados!!!
E a (falta de) moral é tanta que se atreve a tirar terrenos a outros conterrâneos, que estão a ser usados, para ditos fins públicos?

Eu amo loucamente essa moral... e vocês?
Sintam-na em vós próprios e depois falem...

Anónimo disse...

O Sr. Dr. Marqueiro, ilustríssimo presidente da Assembleia Municipal de Mealhada, é um político de palavra e que nos merece todo o crédito, pelo que leio.
Digam-me só, para eu não a perder, quando é a Assembleia Municipal descentralizada, prometida nas eleições, que se realizará na freguesia da Vacariça e sobre os problemas desta minha freguesia.
A quem me informar, desde já, o meu muito obrigado!
Suponho que nas outras freguesias já terão sido realizadas as ditas AM prometidas e os cidadãos terão participado, colocando as suas questões sobre o desenvolvimento das mesmas.
È assim mesmo, apoiado.
Verdadeira democracia participativa!